Cientistas criam óvulos em laboratório pela primeira vez

Escrito por  BBC News
Publicado em Tecnologia
Sexta, 09 Fevereiro 2018 14:26

Feito traz esperanças às mulheres inférteis ou que sofrem de menopausa precoce

Óvulos humanos foram criados em laboratório pela primeira vez na história, segundo revelaram cientistas na Universidade de Edimburgo, na Escócia. O feito inédito foi publicado na revista científica Molecular Human Reproduction nesta sexta-feira (09/02).

Segundo a equipe de cientistas britânicos e norte-americanos responsável pelo estudo, os óvulos cresceram até a maturidade, ou seja, quando estão prontos para ser fecundados. A conquista inédita traz esperanças para a fertilidade de mulheres com câncer, por exemplo, que estejam passando por tratamento quimioterápico, ou aquelas que sejam inférteis e que tenham menopausa precoce.

Desse modo, a descoberta pode ser capaz de gerar novos tratamentos, formas de maternidade, ainda desempenhar um papel importante na medicina regenerativa. Além disso, especialistas poderão explorar como os óvulos humanos se desenvolvem, processo que ainda permanece cheio de mistérios.

Depois de três décadas de estudos e tentativas, a criação em laboratório só foi possível com rigoroso controle laboratorial sobre as condições ideais para o crescimento e amadurecimento dos óvulos: tais como níveis de oxigênio, hormonais e protéicos – tudo necessário para simular o meio ambiente natural. Até hoje, os testes de reprodução dos oócitos só tinham funcionado em ratos.

Apesar de ter animado o meio científico, a equipe envolvida no estudo lembra que ainda é necessário bastante trabalho antes que isso possa ser utilizado de maneira prática, clinicamente.

Óvulos não foram fertilizados

O feito inédito na ciência, revelado pela Universidade de Edimburgo, se mostrou eficiente em 90% dos casos, ou seja, a maioria completou o ciclo até a maturidade. Porém, nenhum dos óvulos criados foi fertilizado, o que significa que ainda é incerto o quão viável são.

A professora Evelyn Telfer, uma das pesquisadoras da equipe, afirmou à BBC News que é "muito excitante obter provas de que é possível atingir esse estágio do tecido humano. Mas, isso deve ser equilibrado com todo o trabalho necessário oara melhorar as condições de cultura e testar a qualidade dos oócitos".

"Mas, além de qualquer aplicação clínica, este é um grande avanço na melhoria da compreensão do desenvolvimento de óvulos humanos", completa a cientista. Vale lembrar que as mulheres nascem com óvulos imaturos em seus ovários que se desenvolvem completamente somente após a puberdade.

Lido 48 vezes Última modificação em Sexta, 09 Fevereiro 2018 14:30

Deixe um comentário

logo Bright_580

art bright100001

Compartilhe nas Redes Sociais!

Temos 174 visitantes e Nenhum membro online

Telefones Úteis

Energisa - (83) 2106-7000
Ultragás - (83) 3292-2217
Audicon - (83) 3246-0599
Cagepa - 115
GVT - 10325
NET - 10621
SKY - 10611
Tely - (83) 3049-4229
Polícia - 190
Bombeiros - 193
SAMU - 192
(83) 3216-2500
Dele.da Mulher
(83) 3218-5316

Entre em Contato

 

Av. Senador Ruy Carneiro, 636 sl 201

Manaíra, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Tel: (83) 3021-8885 - Cel: (83) 98725-1693

Email: redacao@24horaspb.com

Website: http://www.24horaspb.com

JoomShaper