Cientistas criam humano transgênico e provocam polêmica

Escrito por  Exame
Publicado em Tecnologia
Sexta, 24 Abril 2015 14:52
Marina Demartini, de EXAME Marina Demartini, de EXAME Tomasz Wyszołmirski/Thinkstock

 

Pela primeira vez na história da ciência, pesquisadores conseguiram modificar a estrutura genética de um embrião humano.

Cientistas da Universidade de Sun Yat-sen, na cidade chinesa de Guangzhou, descobriram uma maneira de alterar o genoma de células embrionárias humanas, a partir de uma técnica chamada de CRISPR/Cas9.

O CRISPR/Cas9 tem o poder de destruir o gene HBB relacionado à talassemia beta, uma disfunção que causa doenças sanguíneas fatais, como anemia severa.

A ideia dos cientistas é simples: uma enzima complexa (também chamada de “tesoura genética”) corta e substitui genes defeituosos por pedaços de DNA em bom estado. Assim, o embrião não teria o gene da talassemia beta e não desenvolveria as enfermidades.

Os cientistas afirmam que a técnica ainda não pode ser usada pelos médicos, pois está em fase de aperfeiçoamento.

Debate ético

A publicação dos resultados da experiência na revista Protein & Cell, do dia 18 de abril, iniciou um debate ético entre cientistas de todas as partes do mundo, que decidiram publicar um artigo sobre o tema na revista Nature, no dia 22 de abril.

Os defensores da modificação genética argumentam que o método poderia levar à eliminação de doenças como a Síndrome de Down e o mal de Parkinson, antes mesmo de uma pessoa nascer.

Já os críticos comentam que destruir uma doença antes de a vida se desenvolver pode trazer consequências genéticas inesperadas, que podem ser ainda piores que as atuais.

Há também os cientistas que acreditam que a técnica ultrapassa todas as barreiras éticas sobre o assunto. “Somos seres humanos, não ratos transgênicos”, escreveu Edward Lanphier, presidente da Aliança pela Medicina Regenerativa, em um artigo para a revista Nature.

Os cientistas chineses atenuaram os conflitos ao assegurarem que os embriões utilizados no experimento não estariam prontos para a implantação. Eles foram produzidos em clínicas de fertilização e não poderiam resultar em uma gestação.

Dos 86 embriões usados no estudo, 71 sobreviveram, mas apenas 28 tiveram seus genes alterados com sucesso.

“Se você quer usar essa técnica em embriões normais, precisa chegar perto de 100% de sucesso. Por isso, nós paramos”, relata o pesquisador-chefe da Universidade de Sun Yat-sen, Junjie Huang.

Lido 2513 vezes Última modificação em Sexta, 24 Abril 2015 15:02

logo Bright_580

art bright100001

Compartilhe nas Redes Sociais!

Temos 142 visitantes e Nenhum membro online

Telefones Úteis

Energisa - (83) 2106-7000
Ultragás - (83) 3292-2217
Audicon - (83) 3246-0599
Cagepa - 115
GVT - 10325
NET - 10621
SKY - 10611
Tely - (83) 3049-4229
Polícia - 190
Bombeiros - 193
SAMU - 192
(83) 3216-2500
Dele.da Mulher
(83) 3218-5316

Entre em Contato

 

Av. Senador Ruy Carneiro, 636 sl 201

Manaíra, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Tel: (83) 3021-8885 - Cel: (83) 98725-1693

Email: redacao@24horaspb.com

Website: http://www.24horaspb.com

JoomShaper