Governo estuda BPC permanente para pessoas com microcefalia

Publicado em Destaques
Segunda, 20 Maio 2019 19:25

Segundo Osmar Terra, o Brasil teve 3.332 casos confirmados de microcefalia de 2015 a 2018, concentrados principalmente no Nordeste

O ministro da Cidadania, Osmar Terra (na foto), disse nesta segunda-feira (20/05), que o governo estuda transformar o Benefício de Prestação Continuada (BPC) para pessoas com microcefalia causada pela epidemia de zika em uma pensão permanente. Segundo o ministro, a questão está sendo discutida no âmbito do Executivo.

O ministro deu a declaração ao lado da primeira-dama Michelle Bolsonaro, e da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, na abertura do seminário “Mães de Crianças com Microcefalia: Entendendo os Desafios e Superando o Preconceito”, na Câmara dos Deputados.

“As mães que têm BPC, se elas arrumam um emprego, elas perdem o BPC porque ele está vinculado a uma faixa de um quarto do salário mínimo per capita de renda mensal. Acima disso, não tem direito ao BPC”, lembrou Terra, em seu discurso.

“Nesse caso específico do zika, das crianças com microcefalia, o governo pode assumir a responsabilidade. Foi uma epidemia que não foi controlada de forma adequada e o governo [pode] de alguma forma assumir a responsabilidade e transformar o BPC numa pensão em que permite que as mães possam trabalhar e ter renda sem perder esse recurso”.

Segundo Terra, o Brasil teve 3.332 casos confirmados de microcefalia de 2015 a 2018, concentrados principalmente no Nordeste.

Novo momento

Segundo a ministra Damares Alves, o Brasil vive um novo momento para as crianças com microcefalia. “O governo vem abraçando essas crianças com políticas públicas novas, atendimento novo, especialmente a criação de mais casas dia para crianças no Brasil inteiro”.

Segundo o governo, existem atualmente sete centros dia no país e mais quatro em construção. O objetivo é oferecer atendimento integrado de assistência social, saúde e educação às pessoas com alguma deficiência e apoio a seus familiares

A primeira-dama Michelle disse que defende a luta “contra o preconceito” a quem tem microcefalia. “Mães aqui presentes, vocês têm a minha admiração e o meu respeito. Faço da sua a minha luta”, disse.

Sem reforma, governo não terá dinheiro para salários em 2024, adverte Jair Bolsonaro

Publicado em Destaques
Segunda, 20 Maio 2019 19:31

Presidente declarou que aprovação da reforma da Previdência é essencial para que o governo tenha verba e País faça avanços em todos os setores

O presidente Jair Bolsonaro (a foto), do PSL, voltou a defender, nesta segunda-feira (20/05) a importância da aprovação da reforma da Previdência. De acordo com ele, caso o texto não seja aprovado pelo Congresso Nacional, o governo não terá dinheiro para pagar salários a partir de 2024.

"O problema agora é dinheiro. Por isso, precisamos da reforma da Previdência. Ela é salgada para alguns, mas estamos atacando privilégios", disse Bolsonaro durante evento na Firjan. "Se não fizermos isso [a reforma], no máximo, em 2024, vai faltar dinheiro para pagar quem está na ativa", completou.

Segundo o presidente, a aprovação da nova Previdência é o maior entrave para os avanços no País, já que é ela que está segurando a verba, que está em falta para o governo.

Ele disse, ainda, que os ministérios estão bem equipados e com ministros capazes e técnicos, usando como exemplo o ministério da Ciência e Tecnologia. Bolsonaro elogiou o currículo e a trajetória do ministro e astronauta Marcos Pontes, mas disse que os avanços são limitados porque a verba é pouca.

O presidente também aproveitou a ocasião para falar sobre as alianças entre o Brasil e outros países. Na avaliação dele, os acordos devem ser feitos com quem “tenha o que oferecer” ao Brasil. "Querem que eu me aproxime de Venezuela, Bolívia, Cuba? Com todos respeito a estes países, mas devemos nos aproximar de quem é melhor do que nós", declarou Bolsonaro.

Presidente Bolsonaro classifica a classe política como o grande problema do Brasil

Publicado em Destaques
Segunda, 20 Maio 2019 19:46

Presidente se inclui em análise sobre políticos e coloca dúvidas sobre parte do Congresso: 'Tem gente que não se consegue nada apenas com conversa'

O presidente Jair Bolsonaro (na foto) declarou, durante homenagem na Federação das Indústrias do Rio (Firjan) nesta segunda-feira (20/05), que "o grande problema" do Brasil "é a nossa classe política". A declaração foi feita pelo presidente em discurso após receber a Medalha do Mérito Industrial na cidade. Na última sexta, Bolsonaro compartilhou um texto via WhatsApp que carregava tom crítico contra a classe política e dizia que o país era "ingovernável" fora de "conchavos políticos".

Ao citar a classe política, Bolsonaro fez uma referência ao prefeito do Rio, Marcelo Crivella , e ao governador Wilson Witzel , que também estavam presentes na cerimônia na Firjan. O presidente incluiu ele próprio na sua análise sobre a classe política.

"[O Brasil] É um país maravilhoso que tem tudo para dar certo, mas o grande problema é a nossa classe política . 'É nós', Witzel, 'é nós' Crivella, sou eu, Jair Bolsonaro, é o Parlamento em grande parte, é a Câmara Municipal, a Assembleia Legislativa. Nós temos que mudar isso. Não existe maior satisfação para um político do que ser reconhecido em qualquer lugar, do Brasil ou fora do Brasil. Ser reconhecido pelo lado bom. Temos que mudar o destino do Brasil", declarou.

O presidente ensaiou um aceno ao Congresso ao dizer que deseja "conversar", mas voltou a levantar suspeitas sobre os interesses que guiam parte dos parlamentares.

"O que eu mais quero é conversar. Mas sei que tem gente que não é apenas conversar", afirmou.

Bolsonaro falava sobre a Medida Provisória 881, chamada de MP da Liberdade Econômica, enviada pelo governo federal ao Senado, quando fez uma análise mais ampla sobre as propostas que tramitam nas duas Casas legislativas.

"Querem agilidade para votar as propostas na Câmara e no Senado. E se Câmara e Senado têm propostas melhores que as nossas, que coloquem em votação. Não há briga entre os Poderes . O que há é uma grande fofoca que nos inviabiliza por vezes", disse Bolsonaro, numa crítica à atuação da imprensa.

Bolsonaro enalteceu ainda o fato de ter escolhido alguns de seus ministros por indicação de bancadas temáticas na Câmara - casos de Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Tereza Cristina (Agricultura) -, e disse que "não tem como dar certo" uma administração que se guia por interesses partidários. O presidente garantiu que tem "confiança em 100%" nos seus ministros.

Entre os ministros que acompanhava Bolsonaro na Firjan estavam Bento Albuquerque (Minas e Energia), cuja atuação foi elogiada pelo presidente em seu discurso, e Carlos Alberto Santos Cruz (Secretaria de Governo), alvo de críticas de algumas alas do governo. Bolsonaro fez menção a Santos Cruz no início do discurso, ao dizer que ele tem "uma função difícil sob sua responsabilidade em Brasília".

"Imagina se eu não tivesse confiança em 100% nos ministros que indiquei? Como não conseguem nos derrubar por medidas outras, por assim dizer, ficam o tempo todo metendo uma cunha entre nós", declarou.

Após o pronunciamento de Bolsonaro , o porta-voz da Presidência Otávio Rêgo Barros reforçou que Santos Cruz também acompanhou o presidente em sua viagem aos EUA, na última semana.

Governo lança campanha publicitária em defesa da reforma da Previdência

Publicado em Destaques
Segunda, 20 Maio 2019 19:50

A campanha foi formulada pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) e executada pela agência Artplan

Em cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) lançou nesta segunda-feira (20/05) a campanha publicitária em defesa da reforma da Previdência. Com o slogan Nova Previdência. Pode perguntar, as peças trazem pessoas comuns fazendo perguntas sobre a proposta em tramitação no Congresso. A campanha, que será veiculada em jornais, emissoras de rádio e televisão, internet, mídias sociais, mídia exterior e painéis de aeroportos, rodoviárias e estações de metrô, foi formulada pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República (Secom) e executada pela agência Artplan. Segundo a própria Secom, serão investidos um total de R$ 37 milhões nas inserções publicitárias, que vão ao ar a partir desta segunda até meados de julho.

Em seu discurso, Bolsonaro fez um aceno ao Congresso Nacional, lembrando que cinco dos seus ministros são oriundos do Parlamento e que ele valoriza o Poder Legislativo, que dará a palavra final sobre a matéria. “Nós valorizamos, sim, o Parlamento brasileiro, que vai ser quem vai dar a palavra final nessa questão da Previdência, tão rejeitada ao longo dos últimos anos. Mas, quando se tem, à sua frente, os números concretos da Previdência, muita gente muda de ideia”, afirmou.

Bolsonaro também fez questão de citar os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (MDB-AP), pelo apoio que têm dado à reforma. Dirigindo-se aos parlamentares presentes à cerimônia, o presidente afirmou que está aberto a conversar, o que só não faz mais por falta de agenda. Ele disse, no entanto, esperar que não haja muitas mudanças no texto original da proposta de emenda constitucional enviada pelo governo.

“Só não recebo mais por falta de agenda, mas gostaria de continuar a conversar com o maior número possível de vocês [parlamentares] para que possíveis equívocos, possíveis melhoras nós possamos, junto ao Parlamento brasileiro, buscar [resolver]. Se bem que, pretendemos que nossa reforma saia de lá com menor número possível de emendas aprovadas”, acrescentou.

Campanha

Segundo o chefe da Secom, Fábio Wajngarten, pessoas comuns, que não eram atores, participaram com perguntas do que seriam as principais dúvidas sobre a reforma da Previdência. Na campanha publicitária, essas dúvidas são respondidas por apresentadores em estúdio.

“Toda a campanha vai ser ancorada nesse guarda-chuva da ‘Nova Previdência, pode perguntar’. A campanha exibirá transparência, confiança e credibilidade. Todas as peças publicitárias serão compostas desse selo ‘essa é a verdade’, para contrapor à enxurrada de fake news que o tema vem enfrentando”, afirmou durante a cerimônia de lançamento.

A campanha também utilizará comunicadores famosos, por meio do chamado merchandising, no convencimento sobre os pontos da Nova Previdência no Rádio e na TV. Os merchandisings terão a mesma dinâmica das demais peças: perguntas e respostas. “A expectativa é de que, com o apoio dos comunicadores, a mensagem chegue mais facilmente aos públicos mais sensíveis à proposta e que ainda não conhecem detalhes da PEC”, diz a Secom, em nota.

Necessidade

“É o primeiro governo que, antes de mandar a proposta de emenda constitucional, mandou uma Medida Provisória para combater fraude [na Previdência]. Isso é inédito. Depois, mandou uma medida para atualizar a cobrança dos devedores”, afirmou o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Ele voltou a argumentar que, sem as mudanças nas regras de aposentadoria e pensões, o Brasil corre os mesmos riscos de países como Portugal e Grécia.

“O sistema de repartição brasileiro era um navio ou avião com o casco furado, que precisava ser consertado. Falha da nossa geração, que precisa ser reparada, para que o Brasil não seja como Portugal, que do dia para noite cortou 30% das pensões das viúvas. Ou, como a Grécia, que ficou esperando a mão estendida da União Europeia, e a União Europeia ficou olhando a Grécia cair no piso e a mão até agora não foi estendida. Então, a campanha que se inicia agora é a campanha em favor de todos brasileiros”, acrescentou.

Mais cedo, em agenda no Rio de Janeiro, Bolsonaro (ver na foto acima) disse que se a reforma da Previdência não for aprovada, em cinco já não haverá recursos para pagamento de servidores na ativa.

TODOS OS CANAIS POR APENAS R$30,00

A1

O FUTURO DA TV É AQUI MAIS DE 7.000 CANAIS EM SERVIDOR DEDICADO DE PROTOCOLO IPTV. SISTEMA PRÉ-PAGO DE RÁPIDA INSTALAÇÃO.

EXCELENTE OPORTUNIDADE REDUÇÃO DE CUSTOS E AUMENTO DOS BENEFÍCIOS.

SOLICITE UM TESTE GRÁTIS.

A2

Hospedagem de sites Ycorn

ycorn

O Melhor em Servidores

ycorn2

Compartilhe nas Redes Sociais!

Temos 203 visitantes e Nenhum membro online

Telefones Úteis

Energisa - (83) 2106-7000
Ultragás - (83) 3292-2217
Audicon - (83) 3246-0599
Cagepa - 115
GVT - 10325
NET - 10621
SKY - 10611
Tely - (83) 3049-4229
Polícia - 190
Bombeiros - 193
SAMU - 192
(83) 3216-2500
Dele.da Mulher
(83) 3218-5316

Entre em Contato

 

Av. Senador Ruy Carneiro, 636 sl 201

Manaíra, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Tel: (83) 3021-8885 - Cel: (83) 98725-1693

Email: redacao@24horaspb.com

Website: http://www.24horaspb.com

JoomShaper