Governo deixa fonte solar de fora de leilão de energia de 2017

Escrito por  Blog do Planeta
Publicado em Cotidiano
Quarta, 09 Agosto 2017 19:05

Ministério de Minas e Energia anunciou a realização de dois novos leilões para o final do ano

O Ministério de Minas e Energia (MME) anunciou na segunda-feira (07/08) que realizará dois leilões para contratar energia nova no final de 2017, incluindo renováveis como hidrelétrica, solar fotovoltaica, eólica, biomassa, além de fontes fósseis, como termelétricas a gás e a carvão. É o primeiro certame desde dezembro do ano passado.

O anúncio do leilão mostra uma mudança de planos por parte do governo. No final do ano passado, o ministério cancelou um leilão de energia de reserva e passou a considerar a opção de descontratar projetos de energia já em andamento. Na época, o governo dizia que não havia a necessidade de novos projetos, já que a crise econômica reduziu a demanda por energia.

O anúncio dos novos leilões foi bem recebido pelo setor de energias renováveis, mas há uma reclamação da indústria solar fotovoltaica – a solar só poderá participar de um dos leilões, não dos dois, diferentemente de usinas a biomassa ou eólica.

Os leilões são definidos pela data de início do projeto contratado. O primeiro, chamado de A-4, é para projetos que vão entrar em operação daqui a quatro anos, ou seja, em 2021. A solar pode participar deste, junto com as outras fontes renováveis, mas não do outro, o A-6, para projetos que entrarão em operação em 2023.

A assessoria do MME informou à reportagem que a fonte solar só é compatível com projetos de curto prazo, classificados como A-3 ou A-4. Por isso, ficou de fora do segundo leilão. Essa tese é contestada pelo setor. Segundo Rodrigo Sauaia, presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), a indústria já participou de contratações com prazo de cinco anos, como em um leilão A-5 em 2013. Logo, poderia também participar de um A-6.

Segundo Sauaia, essa situação deixa a indústria solar em desvantagem em relação a outras fontes de energia. Isso acontece por conta do cenário econômico do país. Quem define a quantidade de energia a ser contratada são as empresas distribuidoras de energia. Com a crise, as empresas podem considerar uma menor demanda no curto prazo e uma maior para daqui a seis anos. Logo, os melhores contratos estão previstos justamente para o A-6.

"A solar já foi prejudicada em 2016 com o cancelamento dos leilões de reserva. Deixar ela de fora novamente pode atrapalhar o desenvolvimento da indústria no país", diz Sauaia. "E como a indústria solar fotovoltaica lidera a redução de custos, impedir a participação pode significar prejuízo para o consumidor, que acabará consumindo uma energia mais cara."

A indústria solar fotovoltaica cresce com velocidade no mundo todo graças a uma forte redução no preço dos painéis. No Brasil, a quantidade de usinas centralizadas, como as que poderão ser contratadas no leilão, é ainda pequena. O crescimento tem ocorrido principalmente na forma de geração distribuída – a instalação de painéis solares nos telhados de famílias e comércios no país, que não dependem dos leilões promovidos pelo ministério.

Lido 69 vezes

Deixe um comentário

bannermarcelo0000

Compartilhe nas Redes Sociais!

Temos 217 visitantes e Nenhum membro online

Telefones Úteis

Energisa - (83) 2106-7000
Ultragás - (83) 3292-2217
Audicon - (83) 3246-0599
Cagepa - 115
GVT - 10325
NET - 10621
SKY - 10611
Tely - (83) 3049-4229
Polícia - 190
Bombeiros - 193
SAMU - 192
(83) 3216-2500
Dele.da Mulher
(83) 3218-5316

Entre em Contato

 

Av. Senador Ruy Carneiro, 636 sl 201

Manaíra, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Tel: (83) 3021-8885 - Cel: (83) 98725-1693

Email: redacao@24horaspb.com

Website: http://www.24horaspb.com

JoomShaper