Revista destaca Educação em Municipio Paraibano

Publicado em Cultura
Quinta, 30 Julho 2015 12:55

 

A Rede Municipal de Educação de Patos foi destaque numa matéria publicada na edição número 08 - Julho de 2015 da Revista Educatrix – Desafio da educação de resultados para todos, material de circulação nacional. Na publicação gestores de diferentes regiões do país relatam boas práticas e discutem o futuro do ensino público brasileiro.

Como exemplo dos avanços alcançados nos últimos anos, a reportagem fala sobre o Plano Nacional de Educação (PNE) numa entrevista com o coordenador Pedagógico, Marcio Vieira. “Nosso principal desafio é implementar as metas do PNE, em consonância com os planos estadual e municipal”, afirmou Márcio, que enfatiza o acesso universal à educação e a garantia de permanência da criança na escola.

Outro ponto que a revista destaca é a inclusão de alunos com necessidades especiais. Para acompanhá-las na escola, a Secretaria da Educação de Patos conta com cuidadores. O órgão oferece formação em Libras (Língua Brasileira de Sinais), bem como o curso de Atendimento Especializado, com duração de um ano, para que os professores aprendam a lidar com as deficiências admitidas nas instituições de ensino.

Marcio explica que, com a universalização do ensino, a escola deixou de lidar apenas com o conteúdo para lidar com questões que antes não era da sua alçada. Ele conta que “para tanto, nos aprimoramos nos quatros pilares da Unesco e seguimos em frente com a nossa missão. São eles: aprender a ser, aprender a conviver, aprender a fazer e aprender a aprender. Como fala Paulo Freire, a escola apaixonante diz sim para a vida”, relembra o coordenador.

Coletivo cultural do Ceará lança Arte Guerrilha Urbana

Publicado em Cultura
Terça, 04 Agosto 2015 13:16

 

Cantar pela memória e justiça em um constante movimento crítico. Assim é o Coletivo Aparecidos Políticos, dedicado a intervenções artístico-culturais pelo viés político. Aqui na Paraíba, o grupo cearense lança o livro intitulado “Minimanual da Arte Guerrilha Urbana” no Mobile Café, localizada na rua Conselheiro Henriques, 90, Centro (em frente ao Solar do Conselheiro), no próximo dia 6, às 17h. O projeto foi contemplado Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais, circulou por seis cidades e aporta agora na cidade João Pessoa.

Livro inspirado no Minimanual do Guerrilheiro Urbano (1969) de Carlos Marighella, propõe apresentar as experiências de arte urbana produzidas pelo coletivo na cidade de Fortaleza-CE. Apresenta-se, inicialmente, uma teoria relacionada a arte-educação inseridas em contexto de repressão militar. Já segunda etapa, reflete as técnicas de arte-guerrilha urbana proporcionando possibilidades criativas de ação política através das oficinas práticas tais quais performances, escrachos, rebatismos e uso de rádios livres.

De relevante intervenções críticas no cenário urbano, o grupo realiza estas ações a fim de cobrar do Estado brasileiro o cumprimento das recomendações do Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade e assim como expor algumas técnicas de ação que vão aliar arte e política no intuito de barrar as recentes ondas de conservadorismo.

Ao longo de 5 anos de constituição, o coletivo se pauta pela memória, verdade e justiça enquanto bandeiras de luta de intervenção artística na sociedade. Se apropriam da cidade, ao apresentar múltiplos olhares, que fogem do formato tradicional de exposições e não se prendem aos espaços formais reservados à arte.

Após a insatisfação gerada ao presenciarem homenagens concedidas a militares que atuaram na ditadura, o grupo realizou exposições e intervenções, no Pará, Pernambuco, Distrito Federal, São Paulo, Ceará, e inclusive na Argentina, sobre a importância da justiça de transição de uma ditadura para uma democracia. O coletivo já recebeu algumas premiações como a do histórico 65º Salão de Abril e uma homenagem da Assembléia Legislativa do Estado do Ceará.

Vale ressaltar que em maio, somado às mobilizações do dia do trabalho, a equipe viajou a Marabá-PA, onde aconteceu a guerrilhar do Araguaia (1967-1974), e realizaram as oficinas. Os acontecimentos relacionados aquele período levaram o Brasil a ser condenado, em 2010, pela Corte Interamericana, por não averiguar os crimes de desaparecimento forçado e ocultação de cadáver – crimes que não prescrevem.

​​Sobre o Coletivo Aparecidos Políticos - Nascido em Fortaleza-CE em 2010, o Coletivo Aparecidos Políticos surge com a proposta de trabalhar a relação entre arte e política. A sede abriga a Associação 64/68 Anistia e o Coletivo Aparecidos Políticos. Com o apoio da Fundação Nacional de Artes Visuais, o coletivo realizou lançamentos e oficinas em Teresina (PI), Marabá (PA), Tefé (AM), Brasília (DF) e Fortaleza (CE), onde distribuiram gratuitamente aos participantes o Minimanual da Arte Guerrilha Urbana e realizarão intervenções urbanas baseadas nas ideias do livro. No final da turnê, um vídeo será produzido com o registro de todo o processo.

​​Serviço
Lançamento do livro Arte e Guerrilha Urbana

Dois Africanos atrai público no último dia da Festa das Neves

Publicado em Cultura
Quinta, 06 Agosto 2015 12:25

 

O último dia da Festa das Neves, que este ano marcou as comemorações dos 430 anos de João Pessoa, reuniu pessoas de todas as idades. Tanto nas proximidades do complexo do Carmo, quanto no Ponto de Cem Réis, o fluxo de pessoas foi intenso e muitos optaram por prestigiar as apresentações do Pavilhão dos Brincantes e do Palco Principal.

Aos 70 anos, Ivonete Firmino trouxe a neta, Ana Lúcia (5 anos) para ver o Mestre Vavau, o Grupo de Dança Flor de Lírio, e o Grupo de Dança da Maior Idade Reaprendendo a Viver, no Pavilhão dos Brincantes, montado este ano no Ponto de Cem Réis: “Venho para a Festa das Neves desde criança, depois vinha com os meus filhos, e agora trago a minha neta. Gosto muito dessas danças da nossa terra, e aproveitamos para ficar aqui no Ponto de Cem Réis”.

Após as apresentações culturais, a Orquestra PB Pop, do Maestro Rogério Borges, fez um show especial comemorando não apenas o aniversário da cidade, mas os 15 anos do grupo. “É uma grande satisfação poder comemorar com o público duas datas tão importantes. No nosso repertório muita música latina, e iremos terminar com Jota Quest e Skank”.

Assim como foi prometido pelo maestro Rogério Borges, o público que tomou todos os espaços do Ponto de Cem Réis dançou ao som dos ritmos latinos e do pop rock nacional, sendo este um aquecimento para a atração principal da noite: Dois Africanos.

“Dançamos muito e realmente podemos dizer que a orquestra é muito boa. Agora é esperar o show dos Dois Africanos”, disse a estudante universitária Maria das Graças. Ela e um grupo de amigos foram para a Festa das Neves especialmente para ver a dupla que ganhou fama nacional após participação em um programa nacional. “Acompanhamos todas as apresentações deles no programa, e hoje vai ser um dia muito especial, pois iremos vê-los ao vivo”, completou.

be8826c8-b0e6-41d5-a97a-d91e8703f719

Antes de entrar no palco, Opai Big Big (do Benin), um dos vocalistas dos Dois Africanos, ressaltou a emoção de poder encerrar a Festa das Neves: “É uma grande felicidade, pois as pessoas de João Pessoa acolheram a gente com tanto calor. Ficamos gratos que a cidade aceitou a gente, e estamos prometendo um ótimo show”. Para Izy Mistura (do Togo), o outro membro da dupla, a repercussão da participação no programa foi percebida assim que eles chegaram ao aeroporto: “Eu não tenho palavras. Depois de uma temporada agitada, voltar para casa, voltar para o seu lar e ser recebido assim é muito bom”.

Após algumas músicas, que misturavam o hip hop com a cultura africana e nacional, Maria das Graças confirmou que a dupla era ainda melhor ao vivo: “Está sendo perfeito. Boa música, bons amigos, segurança... Essa Festa das Neves vai ficar marcada para mim”.

Brinquedos e alimentação – O espaço reservado para os brinquedos e para a alimentação também contou com um grande público. Eduardo Miguel estava com a esposa e as duas filhas, Cíntia e Juliana (6 e 9 anos), e falou sobre um dos locais mais visitados da festa: “Lá em casa, a Festa das Neves é sinônimo de parque, e já criamos esse ritual. Normalmente trazemos as crianças logo nos primeiros dias, mas hoje resolvemos aproveitar o feriado aqui. Depois dos brinquedos é a vez de comprar uma bola e levar a família para comer em alguma barraca”.

A esposa de Eduardo Miguel, Rosângela, também comentou sobre a estrutura da festa. Para ela, a distribuição das atrações ficou ainda melhor: “Gostei de ver que aqui na Praça do Bispo ficou um espaço para andarmos, apenas com as barracas de comida e os brinquedos. Nos sentimos mais seguros para trazer as meninas”.

A Festa das Neves dos 430 anos de João Pessoa contou com uma vasta programação cultural, e um esquema de segurança envolvendo Guarda Civil Municipal (GCM), Polícias Civil e Militar e Corpo de Bombeiros. De acordo com o plano operacional definido pela Polícia Militar e Secretaria de Segurança Urbana e Cidadania (Semusb) da PMJP, 160 homens fizeram o patrulhamento a pé e motorizado.

Banda de Música da Polícia Militar celebra 148 anos

Publicado em Cultura
Sexta, 07 Agosto 2015 16:53

 

Uma das mais antigas do Brasil, a Banda de Música da Polícia Militar da Paraíba comemora este ano 148 anos de criação, tendo sido fundada em 1887. Uma das comemorações foi uma apresentação no último dia 30 de julho, na Fundação Espaço Cultural, em João Pessoa, quando um evento do 1º Batalhão da PM prestou homenagem à banda. No mesmo dia, foi aprovado na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) o projeto de lei 223/2015, que declara a Banda “Patrimônio Imaterial do Estado”.

Banda-de-Musica-PMPB-Foto-Wagner-Varela-SECOM PB-7

A notícia veio como uma surpresa para o capitão Edson Pequeno, maestro da Banda. “É uma excelente notícia. Vai ajudar na visibilidade”, afirmou. No mês de julho, a Banda também comemorou a data da primeira apresentação, ocorrida no dia 29 de julho de 1870. De acordo com o capitão Edson, não foram programadas grandes apresentações, mas a previsão é que haja um evento maior nas comemorações de 150 anos. “Nesta celebração, um número importante, pretendemos fazer um evento mais pomposo”, disse o maestro.

Incentivo cultural – No fim do ano passado, a banda ganhou novas instalações e instrumentos. O Governo do Estado inaugurou, em dezembro de 2014, as novas instalações da Banda de Música da Polícia Militar e entregou 64 instrumentos aos seus integrantes, renovando assim toda parte de percussão e sopro. No total, foram investidos cerca de R$ 90 mil nestas melhorias.
O espaço da Banda da PM fica localizado no térreo do 1º Batalhão, no Centro da capital paraibana, e conta com duas salas de ensaios e uma seção que abriga o acervo onde estão armazenadas as partituras com mais de 100 anos de história, a exemplo do dobrado do “Guarani”, de Carlos Gomes.

História – A Banda de Música da Polícia Militar é uma das mais antigas do Brasil, tendo sido criada através da Lei nº 291, de 08 de outubro de 1867, pelo então 2º vice-presidente da província, José Teixeira de Vasconcelos, o Barão de Maraú.

Sua organização se deu em 15 de fevereiro de 1870, no governo de Venâncio José de Oliveira Lisboa, contando com 20 elementos e tendo como mestre o 1º sargento Jorge Matiniano Lopes de Sampaio, que logo foi substituído por outro colega de arte, o 1º sargento Florentino da Silva Ramalho no dia primeiro de março do mesmo ano, sendo seu contra-mestre o 2º sargento José Joaquim de Oliveira.

A história da banda de música da PMPB está ligada não apenas à Corporação a que pertence, mas à história do próprio Estado. A sua afinação e a virtuosidade dos seus músicos é conhecida através dos tempos e foi comprovada em concurso bandístico militar realizado em Recife (PE), quando conquistou a honrosa colocação, competindo com bandas do Exército, Aeronáutica e de Polícias Militares do Nordeste.

Por ocasião da comemoração de seu centenário em 1970, apresentou no Teatro Santa Roza, em João Pessoa, especial audição com músicas eruditas e números populares. Em 1973, na troca do Pavilhão Nacional, em Brasília, obteve sucesso e ganhou elogios.

Ao longo dos anos, artistas renomados saíram dos quadros da banda e ganharam destaque no Brasil e até no exterior, como é o caso do maestro Severino Araújo (da Orquestra Tabajara), maestro Moacir dos Santos (professor de música nos EUA), José Barreto (componente da Orquestra Tupy do Rio de Janeiro) e Jurandir Félix (Jurandir do Sax, ex-militar que ganhou destaque com a execução do Bolero de Ravel nas tardes da Praia do Jacaré, em Cabedelo). Como parte comemorativa do Sssquicentenário da Polícia Militar da Paraíba, em 1982, a banda de música gravou o primeiro disco com repertório de dobrados, clássicos e músicas populares. Em 1985, lançou outros discos e hoje possui também CD e DVD lançados.

"Quintas Dialógicas" tem Pablo Pinheiro na Funesc

Publicado em Cultura
Segunda, 24 Agosto 2015 13:21

O fotógrafo e pesquisador Pablo Pinheiro é o convidado do projeto "Quintas Dialógicas", que acontece na próxima quinta-feira (27/08), às 19h, no auditório 1 do mezanino do Espaço Cultural José Lins do Rego, em João Pessoa. Durante o encontro, ele falará sobre seu projeto "Uma tradição nos Rio Grandes: a imagem do vaqueiro contemporâneo em transição", contemplado pelo XIV Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia em 2014. No evento, Pablo Pinheiro também vai lançar "Rio Grandes", fotolivro que é o resultado do projeto.

Na ocasião o autor discorre sobre a vivência, a experiência e o seu aprendizado na realização do projeto que começou em 2010. O autor deve abordar o processo criativo e revelar os resultados de sua pesquisa com os vaqueiros nos estados do Rio Grande do Norte e do Rio Grande do Sul. A publicação “Rio Grandes”, cuja edição de imagens é de Rosely Nakagawa, será disponibilizada gratuitamente pela internet.

Pablo-Pinheiro VaqueirosRN_110416_MG_4058

Pablo-Pinheiro VaqueirosRN_111113_MG_2166

Pablo-Pinheiro VaqueirosRS_150531_MG_8283

Sobre o projeto - Ao ganhar o XIV Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia, um dos mais importantes do segmento, Pablo Pinheiro aprofundou a reflexão sobre um ícone brasileiro: o vaqueiro tradicional. Por meio da linguagem fotográfica ele vem investigando a presença do vaqueiro em seu contexto rural desde 2010. A vivência do artista com a atividade pecuária centenária no Brasil começou na Caatinga e se estendeu à Pradaria onde mirou com a câmera do vaqueiro sertanejo do Rio Grande do Norte Pablo ao gaúcho do Rio Grande do Sul. A narrativa visual será revelada no fotolivro “Rio Grandes”, resultado do projeto “Uma Tradição nos Rio Grandes - a imagem do Vaqueiro Contemporâneo em transição. A ação envolve palestras em vários estados durante o mês de agosto. Além da capital paraibana, a apresentação também passa pelas cidades de Porto Alegre (RS), São Paulo (SP) Mato Grosso do Sul (MS), Rio de Janeiro (RJ) e Natal (RN).

De acordo com o material de apresentação do autor, a pesquisa de campo foi motivada por uma inquietação: em que medida o ritmo intenso da era da informação e da tecnologia interfere em uma tradição? Em seu processo criativo e produtivo, Pablo desmistifica cenas projetadas no seu próprio imaginário. Em sua jornada tenta decifrar o tempo, o homem e o seu meio.

“As pessoas ainda imaginam uma representação arcaica do vaqueiro. A estrutura visual do ambiente rural se mantém, seja no Sertão ou nos Pampas, mas este homem e suas tradições estão em um período de transição. O acesso à informação é contínuo e se expande para além do meio rural e os desejos se transformam junto. Isso interfere na indumentária, no estilo de vida”, comenta o fotógrafo.

Apesar da função do vaqueiro ser centenária, a atividade só foi reconhecida como profissão no Brasil em 2013. “A legislação trabalhista também promoveu uma nova postura, garantindo voz e visibilidade ao vaqueiro nas suas relações de trabalho”, reforça Pablo.
Para Rosely, responsável pela edição das imagens, a relevância do trabalho está na busca do autor pela essência do vaqueiro. “A visão cosmopolita do autor só acrescenta porque traz uma crítica importante na busca de quem é este vaqueiro e de como nasce essa cultura. Traz uma poética que será vista também por mais pessoas – que estão fora da visão regionalista”, comenta.

A convivência dos vaqueiros em seu próprio espaço geográfico vem ajudando o artista a refletir também sobre as suas raízes. Neto de nordestino, nascido em São Paulo e criado em Natal pelos pais paulistas e migrantes, o fotógrafo só conseguiu perceber sua brasilidade quando morou no Arizona, nos EUA, na adolescência. E lá descobriu a fotografia. Todo este percurso e pesquisa sobre o vaqueiro também faz parte da jornada em busca de sua identidade como artista.

Sobre o autor – Pablo Pinheiro, 38 anos, expôs o primeiro trabalho sobre os vaqueiros em 2011 – Fragmentos de uma tradição – quando realizou o trabalho no Coletivo Byreçá. Na ocasião recebeu o Prêmio Troféu Cultura como melhor exposição. Em 2012 foi contemplado pelo Programa de Cultura do BNB, com o projeto que levou esta exposição e oficinas de fotografia para a Paraíba e o Rio Grande do Norte. Com o prêmio Marc Ferrez, o fotógrafo dá continuidade ao projeto Uma tradição nos Rios Grandes: A imagem do vaqueiro contemporâneo em transição.

Quintas dialógicas - As Quintas Dialógicas vêm como uma iniciativa de promover um debate entre a sociedade, artistas e acadêmicos, trazendo a ideia de multidisciplinaridade, trabalhando diversos temas que possam se relacionar com o conceito de cultura. O projeto promovido pelo Governo do Estado da Paraíba, por meio da Fundação Espaço Cultural da Paraíba, busca fomentar a formação intelectual e artística dos participantes.

Serviço

Quintas Dialógicas

Palestra com Pablo Pinheiro sobre o processo criativo e resultados do projeto “Uma Tradição nos Rios Grandes – a imagem do Vaqueiro Contemporâneo em transição”, contemplado pelo XIV Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia
Lançamento do fotolivro “Rio Grandes”, de Pablo Pinheiro
Data: 27 de agosto de 2015
Hora: 19h
Local: Auditório 1, Mezanino, Rampa 1 - Espaço Cultural José Lins do Rego, João Pessoa/PB
Entrada: gratuita

Prima é modelo de inovação para a educação Brasileira

Publicado em Cultura
Terça, 25 Agosto 2015 12:12

Prima é apresentado como modelo de inovação para a educação brasileira em Brasília

A metodologia e a filosofia do Projeto de Inclusão Social através da Música e das Artes (Prima) serão compartilhadas com líderes educacionais, políticos e empresários, entre outros integrantes da sociedade neste sábado (29), durante Conferência Mapa Educação, em Brasília. O Prima foi selecionado como modelo de inovação para a educação brasileira pelo Movimento Mapa Educação, cujo objetivo é mostrar exemplos bem sucedidos no campo educacional. O Prima foi escolhido entre 170 projetos de todo o País e está entre os quatro que serão apresentados no evento.

De acordo com Sérgio Aires, coordenador do projeto em Cabedelo e um dos representantes em Brasília, o fato de o Prima estar entre os quatro projetos a participar da conferência significa que, para o Movimento Mapa Educação, ele apresenta condições de servir como modelo em outros estados. “Nós temos um grande diferencial: a música em parceria com o ensino público, particularmente a rede estadual de ensino. Então, é muito gratificante para todos nós estarmos lá para mostrar algo que vem dando resultado e que, por isso, tem condições de ser a solução, em qualquer estado brasileiro, para a educação”, disse.

Para o gestor do Prima, maestro Alex Klein, o reconhecimento do projeto como iniciativa inovadora para a educação brasileira é motivo de orgulho para a Paraíba. “A grande filosofia do Prima é a inclusão social e, desde que foi criado, acreditamos que esse objetivo seja obtido pela educação. É preciso que, para isso, a educação seja atrativa, inovadora e que produza resultados. A música é um dos meios que encontramos para alcançar isso”, pontuou.

E acrescentou: “Desde que o Prima foi lançado, em 2012, não tínhamos dúvidas de que estávamos participando de um projeto audacioso, moderno e, acima de tudo, com capacidades plenas de alcançar os objetivos a que se propôs: incluir por meio da educação”.

Apresentação – Os representantes do Prima terão direito a 15 minutos para apresentar a metodologia e a filosofia do Projeto para líderes educacionais, estudantes, empresários e políticos, durante a Conferência Mapa Educação, em Brasília. De acordo com Sérgio Aires, serão exibidos vídeos das apresentações em diversas cidades paraibanas, além de reuniões para a discussão de temas em pauta na sociedade, como a redução da maioridade penal.

“O nosso diferencial – claro! – é a música. No entanto, a orientação que recebemos do gestor, mastro Alex Klein, é que invistamos no processo de cidadania, e as discussões sobre temáticas atuais é uma das formas que escolhemos para isso, fazendo do Prima um projeto completo, que vai da música à cidadania”, destacou.

O coordenador do Prima em Cabedelo destacou que a grande meta do Projeto é transformar o Prima em política de Estado. “Eu, particularmente, vi a modificação na realidade dos jovens carentes de Cabedelo desde que o governador Ricardo Coutinho implantou esse projeto. Então, tornar o Prima uma política de estado significa que ele continuará independentemente de gestão”, explicou. “Temos a consciência de que é fundamental que esse Projeto continue com as suas ações por meio da música”, prosseguiu.

Reconhecimento e credibilidade – O maestro Alex Klein destacou que o reconhecimento do Prima como algo com a capacidade de transformar a educação brasileira é apenas um dos incentivos que o Projeto tem recebido desde a criação, em 2012. “Seja pela parceria firmada com o consulado dos Estados Unidos, o que permitiu que nossos alunos tocassem com o solista de piano norte-americano Blair McMillen; seja pela doação de um violão feita pelo Fábio Zanon, um dos violonistas da música erudita brasileira mais importantes; seja pelo reconhecimento da comunidade, que é diretamente beneficiada, temos motivos de sobra para nos orgulharmos e acreditarmos que estamos no norte certo”, ressaltou. “Pela sua filosofia, o Prima conquistou e vem conquistando algo muito precioso: a credibilidade da sociedade”, enfatizou.

O Projeto – Criado pelo Governo do Estado em 2012, o Projeto de Inclusão Social através da Música e das Artes (Prima) nasceu com o objetivo de levar oportunidade a crianças e a jovens carentes do Estado em escolas da rede pública, principalmente, através da música, com foco na educação. Atualmente, o Prima contempla mais de 1,2 mil alunos de polos espalhados em cidades como João Pessoa, Cabedelo, Bayeux, Santa Rita, Guarabira, Patos, Cajazeiras e Sousa. Ao todo, são mais de dez municípios atendidos pelo Projeto.

Mapa Educação – O Mapa Educação é um movimento que tem como objetivo engajar o jovem no debate nacional para uma educação de maior qualidade. O Conselho do Movimento é formado por pessoas de diferentes áreas que colaboram com experiências, sugestões e críticas a desenvolver novos projetos educacionais com cada vez mais abrangência e impacto.

 

Totonho e Os Cabra lança disco inédito “Coco Ostentação”

Publicado em Cultura
Terça, 01 Setembro 2015 17:42

 

Festa de lançamento acontece nesta sexta (04), com participação de grandes nomes da música paraibana. O show de abertura será da banda Bonsucesso SambaClube (PE).

Depois de 10 anos de lançado “Sabotador de Satélites” pela gravadora Trama, Totonho e Os Cabra, um dos mais geniais artistas do Brasil, arrebenta as estruturas de produção musical na Paraíba e estreia o “Coco Ostentação”. Natural de Monteiro (PB), e inspirado pela força da poesia regional, ele dialoga com o universal, escancarando um som autêntico e provocador.

Da rua para o estúdio, esse foi o caminho para se chegar ao mais novo disco autoral de Totonho. Coco Ostentação é fruto de uma ação ativista de levar música para espaços públicos da grande João Pessoa de forma independente. Essa iniciativa idealizada pelo próprio artista, em parceria com o compositor Seu Pereira, teve inicio em 2014, provocando as formas de difusão da música paraibana.

O projeto reuniu públicos, movimentou a cena com manifestações populares de valorização da música tradicional do Nordeste e motivou novas composições. Essa experiência desencadeou na produção de um dos discos mais esperados pela cena da música independente do Brasil.

CD-frente

Coco Ostentação é um trabalho inovador que reúne canções inéditas, influenciadas pela música tradicional, mais especificamente o coco de roda. Produzido pelo paraibano Renato Oliveira, e com participação de grandes nomes da cena musical atual da Paraíba, como Escurinho, Alex Madureira, Os Gonzagas e Seu Pereira, o disco instala uma lógica de produção profissional colaborativa e engajada. A produção conta também com a presença dos músicos parceiros, o paulista Rica Amabis e o carioca Ricardo Imperatori. Os artistas aceitaram o desafio da provocação sonora e poética de Totonho e Os Cabra, apresentando um som que dialoga de forma contemporânea com a música tradicional.

“O resultado dessa experiência é a ostentação da liberdade de praticar seus próprios códigos culturais. Porque a tradição é o que segue, não é o que fica trancafiado em normas retrogradas de registros filmados ou fonográficos. Só se preserva a tradição se outras gerações aceitam, participam e interagem, por isso ela deve ser adequada aos olhares do seu tempo.”, destacou Totonho.

DISCO COCO OSTENTAÇÃO (PRÉVIA COM TRÊS CANÇÕES)
https://soundcloud.com/cocoostentacao

A festa de lançamento do disco “Coco Ostentação” acontece nesta sexta (o4), a partir das 22h, no Centro Cultural Piolim. Produzido pela Cabocobom Produção Cultural, com o apoio da Secult|PB, o evento irá promover um grande encontro da cena musical da Paraíba, trazendo também representação de Pernambuco.

Com banda formada pelos músicos Chico Limeira, Nildo Gonzalez, Gabriel Araújo e Dj Gui Raiz, Totonho irá receber convidados como Sacal, Escurinho, Robertinho Atômico e Os Gonzagas. Além disso, a Bonsucesso Samba Clube (PE) (http://bonsucessosambaclube.com/source/ ) virá de Olinda para fazer o show de abertura.

VIDEO – CONVITE DE LANÇAMENTO DO COCO OSTENTAÇÃO
https://www.youtube.com/watch?v=ZniEO0NW6mE

Sertão paraibano sediará projeto Cinema na Praça

Publicado em Cultura
Quinta, 10 Setembro 2015 14:20

 

Algumas comunidade de Patos e Catingueira receberão neste final de semana o projeto 'Cinema na Praça', que tem a finalidade de expor em espaços públicos destes municípios um pouco das produções cinematográficas paraibanas. Nesta sexta, dia 11, a mostra será na Praça Vicente Inácio, beneficiando as comunidades dos bairros José Mariz, Morro e Santa Clara. No sábado, dia 12, o evento acontecerá na cidade de Catingueira, na Praça da Matriz.

o vendedor_de_coisas

Além de ser aberto ao público, o projeto é voltado para todas as idades. “Exibiremos filme com a classificação livre. O objetivo principal do projeto é que as famílias possam se reunir em frente a tela para comer pipoca e prestigiar a cultural do audiovisual”, comentou o cineasta Deleon Souto, idealizador do projeto.

Dentro os filmes, serão exibidos os curtas 'O vendedor de coisas', 'No Reino da Rapadura' e 'As Folhas'. “Além de expor e possibilitar o acesso das produções cinematográficas, distribuiremos cópias dos filmes para algumas escolas destas comunidades”, ressaltou.

O evento realizado pela DS Produções tem o patrocínio do Fundo de Incentivo à Cultura Augusto dos Anjos, a Secretaria de Estado da Cultura, o Governo da Paraíba, FUNARTE - Fundação Nacional de Arte, Ministério da Cultura e Governo Federal.

Teatro Pedra do Reino tem eventos nacionais e internacionais

Publicado em Cultura
Domingo, 13 Setembro 2015 15:15

 

O Teatro Pedra do Reino, que faz parte do complexo do Centro de Convenções de João Pessoa, já tem pauta de eventos nacionais e internacionais até 2016, nas áreas de ciência, tecnologia e cultura. Entre os destaques estão os shows das cantoras Maria Bethânia e Simone, além do Internet Governance Forum 2015, promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU).

teatro-pedra-do-reiono1 0007

O diretor do Centro de Convenções, Ferdinando Lucena, ressaltou que o espaço está sendo muito procurado para eventos de diferentes áreas. “Temos eventos marcados até para 2016. Para este ano, entre os artistas nacionais, teremos Bethânia agora em outubro e também fechamos com produção de Simone para dezembro”, afirmou. “O Pedra do Reino representa a entrada definitiva da Paraíba na prateleira do mercado cultural brasileiro. Além de ser importante para a política cultural do nosso Estado, fortalece também o turismo”, enfatizou.

Maria Bethânia sobe ao palco do Pedra do Reino em 24 de outubro. O show faz parte da turnê em comemoração aos seus 50 anos de carreira. Ela está entre as intérpretes de maior vendagem do Brasil. Possui mais de 50 álbuns lançados e foi a primeira cantora brasileira a conseguir vender mais de 1 milhão de discos. Além de João Pessoa, apenas mais sete capitais estão inclusas no roteiro oficial da turnê, divulgado pela assessoria da artista.

Paulo Gustavo e The Abba History – Antes mesmo do show de Maria Bethânia, já estão agendadas para o Pedra do Reino outra atração cultural nacional. O ator e humorista Paulo Gustavo para João Pessoa, em 16 e 17 de outubro, com a comédia “220 Volts” cujas personagens são todas femininas. Um dos destaques é a Famosa, que faz uma referência à cantora americana Beyoncé. O ator também dá vida a personagens como Senhora dos Absurdos, uma milionária preconceituosa, e Maria Alice, a apresentadora de TV interessada apenas em vender seus produtos e falar mal dos famosos.

Também está em processo de fechamento a negociação com o grupo de músicos paulistas que compõem o espetáculo “The History”. O show é um tributo ao grupo Abba.

Eventos técnicos e associativos em pauta – A pauta do Teatro Pedra do Reino não está limitada aos espetáculos. O espaço está destinado ainda a eventos técnicos, científicos, associativos e profissionais. Entre os exemplos podemos citar o Internet Governance Forum 2015, da ONU, agendado para acontecer de 10 a 13 de novembro.

O Jubileu de Ouro do Conselho Regional de Administração, em comemoração aos 50 anos da profissão de administrador na Paraíba, está marcado para 8 de outubro e também ocupará o espaço do Teatro Pedra do Reino. O Congresso Brasileiro de Aids e Hepatites Virais é outro exemplo de evento já confirmado, previsto para a segunda quinzena de novembro.

Espaço para quase 3 mil pessoas – O teatro tem 11.763 metros quadrados de área construída e capacidade para quase 3 mil pessoas. O nome Pedra do Reino é uma homenagem ao escritor paraibano Ariano Suassuna, autor de obra homônima.

O Pedra do Reino foi projetado para receber grandes espetáculos nacionais e internacionais. A obra, inaugurada em agosto deste ano, representou um investimento de R$ 60 milhões.
A estrutura do Teatro Pedra do Reino envolve ainda sonorização e iluminação cênicas de última geração. Dos 2.924 lugares disponíveis no teatro, 2.820 são poltronas comuns; 18 para obesos; 36 para portadores de mobilidade reduzida e 50 para cadeirantes.

Renato Bandeira & Som de Madeira no projeto ‘Música do Mundo’

Publicado em Cultura
Sexta, 18 Setembro 2015 14:07

 

A música instrumental mundial contemporânea tem agenda garantida mensalmente no Espaço Cultural José Lins do Rego, em João Pessoa. Trata-se do projeto ‘Música do Mundo’, que em outubro traz o quarteto Renato Bandeira & Som de Madeira na sua programação. A apresentação marca o lançamento do CD e DVD “De ponta a cabeça”. O show acontece na sexta-feira (2), às 20h30, na Sala de Concertos Maestro José Siqueira. Os ingressos custam R$ 10 (inteiro) e R$ 5 (estudante). Para quem optar pela compra antecipada, a bilheteria abre às 16h.

“De ponta cabeça” é o título do primeiro trabalho autoral do quarteto instrumental Renato Bandeira & Som de Madeira. O registro duplo (CD e DVD), contém imagens e áudio captados no Estúdio Muzika, em Casa Amarela, no Recife, dirigido por Chico Molina. O álbum explora em 11 faixas autorais, sendo duas no formato acústico, a fusão de referências das diversas vertentes da música brasileira ao jazz.
O grupo, formado por Renato Bandeira (guitarra, violão e viola de dez cordas), Hélio Silva (contrabaixo), Julio Cesar (acordeon) e Augusto Silva (bateria), reconstrói e reinventa estilos como frevo, baião, choro, samba e maxixe, através de improvisos e complexas harmonias apurados ao longo dos dez anos de composição de Bandeira.

A direção musical é assinada pelo próprio Renato e o baterista Augusto Silva, ambos músicos da SpokFrevo Orquestra, que também faz participação especial na faixa "Maluvida". O maestro Spok participa assumindo o saxofone no choro "Pedacinho de você". O violonista Washington Marques, integrante na primeira formação do grupo, também confirma presença.

História - O grupo surgiu inicialmente como um duo composto pelo guitarrista Renato Bandeira e o violonista Washington Marques e logo se transformou em trio, quando Marcos Araújo (falecido em 2012) - que era professor de Bandeira no Conservatório Pernambucano de Música - juntou-se aos dois amigos. A partir daí, a necessidade de incorporar outros instrumentos à banda tornou-se latente, e assim nasceu a Som de Madeira, que hoje conta com Bandeira, Julinho Cesar do Acordeon, o baterista Augusto Silva e o contra-baixista Hélio Silva.

Além de tocar na SpokFrevo desde 1998, Renato Bandeira desenvolve trabalhos como arranjador, produtor e diretor musical. Formado pelo Conservatório Pernambucano de Música, ele começou a tocar com apenas 12 anos de idade, acompanhando a irmã em barzinhos no Recife e Região Metropolitana. Tocou na noite e participou de shows de diversos artistas ainda na função de músico convidado, até ter o seu nome consagrado. Entre os parceiros com quem já trabalhou estão Dominguinhos, Alceu Valença, Gal Costa, Chico César, Geraldo Azevedo, Elba Ramalho, Sivuca, Antonio Carlos Nóbrega,Edu Lobo, João Donato, Maria Rita, Leo Gandelman, Ney Matogrosso e Vanessa da Mata, entre outros.

Música do Mundo – Uma vez por mês, a Sala de Concertos Maestro José Siqueira recebe o projeto Música do Mundo, ação promovida pela Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) de valorização dos artistas e música instrumental. O lançamento aconteceu em agosto, com a participação do grupo parisiense Trio In Uno. Em setembro, foram duas edições – uma com o Quinteto da Paraíba e outra com o pianista francês Pascal Gallet. Uma das características do projeto é o preço popular do ingresso, que custa R$ 10 (inteiro) e R$ 5 (estudante), de forma a permitir ao público acesso à música instrumental de qualidade internacional.

Com a ação, a Funesc pretende oferecer um panorama da produção instrumental mundial à população, ampliando dessa forma o acesso às mais variadas vertentes da música. O projeto também oportuniza aos artistas da região terem mais acesso à produção mundial, o que reflete, inclusive, na criação do trabalho desenvolvido pelos músicos do estado.

 

Música do Mundo
Atração: Renato Bandeira & Som de Madeira
Data: sexta-feira, 2 de outubro
Hora: 20h30
Local: Sala de Concertos Maestro José Siqueira
Ingressos: R$10 (inteiro) R$ 5 (estudante)
Bilheteria: a partir das 16h
Realização: Funesc

Compartilhe nas Redes Sociais!

Temos 189 visitantes e Nenhum membro online

Telefones Úteis

Energisa - (83) 2106-7000
Ultragás - (83) 3292-2217
Audicon - (83) 3246-0599
Cagepa - 115
GVT - 10325
NET - 10621
SKY - 10611
Tely - (83) 3049-4229
Polícia - 190
Bombeiros - 193
SAMU - 192
(83) 3216-2500
Dele.da Mulher
(83) 3218-5316

Entre em Contato

 

Av. Senador Ruy Carneiro, 636 sl 201

Manaíra, João Pessoa, Paraíba, Brasil

Tel: (83) 3021-8885 - Cel: (83) 98725-1693

Email: redacao@24horaspb.com

Website: http://www.24horaspb.com

JoomShaper